Menu

+Ciência Brasileira que criou garrafa para retirar impureza da água ganha competição mundial na Turquia

Bárbara Gosziniak ganhou os desafios Storytelling do concurso da Red Bull Basement por criar a garrafa que retira impurezas da água (Reprodução/Instagram @barbaragosziniak)
Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS — A brasileira Bárbara Gosziniak, de 28 anos, pesquisadora e estudante de mestrado na Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), em Minas Gerais, ganhou o prêmio “Storytelling” do concurso global de ciência Red Bull Basement, em Istambul, na Turquia, por criar um protótipo de garrafa capaz de esterilizar qualquer água para torná-la própria para o consumo humano.

Veja também: Estudante representa Brasil na Turquia, após criar garrafa que retira impureza da água

A competição avaliou 443 ideias enviadas do Brasil e 4.041 projetos em todo o mundo. Finalistas de 44 países foram selecionados para participarem da etapa final no País turco. O projeto da estudante chamado de “Aqualux“, apesar de não ter rendido à Bárbara o título principal do evento universitário, que foi para as estudantes norte-americanas Brinlee Kidd e Sylvia Lopez, venceu os “desafios Storytelling”.

Bárbara com a medalha de campeã (Reprodução/Instagram)

“Foi uma competição ao longo de nove semanas em que os finalistas tinham que contar a história do projeto e o seu desenvolvimento por vídeos no Instagram. Fiquei tão surpresa que mal consegui fazer um discurso”, declarou a pesquisadora, em uma publicação nas redes sociais.

Água

O projeto Aqualux tem sistema elétrico, carregado por energia solar, e a esterilização é feita por meio de radiação azul. Além desse tipo de radiação, o protótipo da garrafa tem como principais diferenciais a união do filtro com a esterilização em um único produto e a nova tecnologia de resfriamento. A garrafa é a primeira do mercado a usar radiação azul, segundo a estudante.

Veja também: Em Manaus, Rio Negro atinge cota de inundação severa e águas já ameaçam casas de palafitas

A iniciativa surgiu com a ideia de atender às pessoas que não podiam contar com saneamento básico em todas as partes do mundo, tratando a água de nascentes, rios, lagos, entre outros. O equipamento é semelhante a garrafas térmicas, como as de café.

Segundo Bárbara, o processo para deixar a água sem impurezas passa por três etapas ao ser colocada na garrafa: microfiltragem (elimina as impurezas), esterilização por radiação (elimina vírus ou bactérias) que ocorre simultaneamente com o sistema de refrigeração (alimentado por células fotovoltaicas, capazes de converter a luz do Sol em energia). Ao final, é possível ter uma água fresca e purificada.

Bárbara

Bárbara é engenheira ambiental e mestranda em engenharia de materiais, além de pesquisadora sobre os efeitos da radiação azul para esterilização da água. Em 2021, foi campeã nacional do Red Bull Basement. Em meio deste ano, Bárbara Gosziniak recebeu menção honrosa do Instituto de Ciências Exatas e Biológicas da Ufop pelo desempenho no evento global.

Bárbara engenheira ambiental e mestranda (Reprodução)