Menu

Cultura Com elenco 100% regional, ópera ‘O Menino Maluquinho’ estreia neste domingo, 15, no Teatro Amazonas

A montagem da obra é do compositor e maestro Ernani Aguiar e direção de Matheus Sabbá (Ana Beatriz/CENARIUM)
Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS – O elenco 100% amazonense marca a estreia da ópera ‘O Menino Maluquinho’ neste domingo, 15, às 17h, no palco do Teatro Amazonas, no Centro de Manaus. O personagem, criado pelo cartunista Ziraldo na década de 1980, é vivenciado pelo cantor Davi Lucas, de 12 anos, no 24° Festival Amazonas de Ópera (FAO). A montagem da obra é do compositor e maestro Ernani Aguiar e direção de Matheus Sabbá.

A ópera tem figurino de montagem assinado por Melissa Maia, confeccionado com 80% de tecidos recicláveis, pelas mãos de 50 costureiras do Centro Técnico de Produção (CTP). A obra terá, ainda, a presença da namorada de Maluquinho, Julieta, e o melhor amigo dele, Bocão, interpretados por Luna e Thaylon, artistas do Liceu Claudio Santoro. Neste sábado, 14, o cantor Davi Lucas contou à REVISTA CENARIUM sobre vivenciar o personagem infantil.

“É uma oportunidade e um sonho realizado, porque desde que eu conheci ‘O Menino Maluquinho’, eu não parava de pensar em querer ser esse menino tão divertido e tão amado pelo Brasil. Estar representando essa figura brasileira, interpretando um lírico e, ao mesmo momento, num local tão prestigiado é incrível”, contou Davi Lucas.

O cantor mirim, que já participou do The Voice Kids Brasil 2021, programa da TV Globo, falou ainda como tem sido a preparação para vivenciar o clássico, em formato de ópera, e destacou sobre a expectativa de estar, mais uma vez, se apresentando no Teatro Amazonas, considerado um dos mais bonitos do País e o mais importante símbolo cultural e arquitetônico do Estado do Amazonas.

“A expectativa para a estreia está ao máximo, porque eu tenho certeza que todo mundo vai gostar e lembrar desse menino, e de como é bom ser criança. Está sendo mágico preparar essa ópera e tenho certeza que o público vai se encantar com ‘O Menino Maluquinho'”, salientou o cantor.

Natural de Manaus, o artista, de voz aguda, que encantou o Brasil, ao se apresentar em rede nacional cantando ‘Into the Uncknown’ e ‘A Thousand Years’, ressalta que costumava assistir ao clássico infantil desde mais novo e, afirma que para vivenciar o personagem, conta com uma equipe especializada em preparação vocal e cântico lírico, que leva a voz a tons mais agudos e prolongados.

“Eu gosto de cantar bastante lírico, música popular e gospel. Quando era mais novo, sempre gostei de assistir o filme ‘O Menino Maluquinho’, alguns desenhos e de ler os gibis. E isso tudo tem me ajudado na preparação com o personagem”, pontuou.

Davi Lucas já participou do The Voice Kids Brasil 2021, programa da TV Globo (Ana Beatriz/CENARIUM)

Momento único

Neire Jane, mãe de Davi Lucas, lembra que o filho canta ópera desde os 9 anos, quando foi convidado para a primeira ópera na carreira, a ‘Ópera Tosca‘, de 2019. Na obra de Giacomo Puccini (1858-1924), o artista viveu o personagem Pastorzinho.

“Desde então, Davi vem estudando e se dedicando. Chegar a ser convidado pelo maestro a vivenciar ‘O Menino Maluquinho’ é algo muito gratificante para ele e para mim, pois, desde criança, Davi é apaixonado por música. O pai dele e toda a família são muito musicais e, então, a raiz musical está no sangue”, comentou.

O Menino Maluquinho

A ópera tem, ainda, apresentações nos dias 21 e 28 de maio, ambas no Teatro Amazonas, às 19h. A classificação é livre, e os ingressos estão à venda na www.bilheteriadigital.com e na bilheteria do Teatro Amazonas.

O Festival de Ópera do Amazonas iniciou no dia 29 de abril e segue até 31 de maio, na capital e no interior. Cinco óperas, recitais, concertos, workshop e encontro de economia criativa estão na agenda do evento. A programação inclui atrações no Teatro Amazonas, Teatro da Instalação, centros culturais Palácio da Justiça e Palácio Rio Negro e também no interior.

O FAO é realizado pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e da Agência Amazonense de Desenvolvimento Cultural (AADC). O projeto, aprovado na Lei de Incentivo à Cultura, Ministério da Cidadania e Secretaria Especial de Cultura, tem patrocínio master do Bradesco e patrocínio da Innova.