Menu

Cultura Dom Phillips e Bruno Pereira são homenageados na terceira noite do ‘Amazonas Green Jazz Festival’

O saxofonista Marcelo Coelho, o rapper Kamau e o DJ Raffa Santoro relembraram do caso que comoveu e mobilizou o Brasil e o mundo (Gustavo Gilona/CENARIUM)
Bruno Pacheco – Da Revista Cenarium

MANAUS – O jornalista britânico Dominic Mark Phillips, o “Dom Phillips”, e o indigenista Bruno da Cunha Araújo Pereira, assassinados em 5 de junho deste ano na região do Vale do Javari, no Amazonas, foram homenageados nesse domingo, 24, durante a terceira noite da 10ª edição do Amazonas Green Jazz Festival. Ao se apresentarem no evento, o saxofonista Marcelo Coelho, o rapper Kamau e o DJ Raffa Santoro relembraram do caso que comoveu e mobilizou o Brasil e o mundo.

Veja também: Emoção, surpresas e improvisações clássicas marcam abertura do ‘Amazonas Green Jazz Festival’

Os músicos fizeram uma releitura instrumentista do poema “Juca-Pirama”, um clássico da poesia indianista brasileira do século 19 escrito pelo poeta Gonçalves Dias, que relata a coragem, o zelo pela honra e a história de um guerreiro do povo Tupi aprisionado por inimigos da etnia Timbiras. No texto, o indígena deve ser sacrificado por conta de um ritual de antropofagia – ato de se alimentar da carne humana, mas no auge da preparação do sacrifício, o guerreiro pede clemência e o ato não é concebido, fazendo com que o enredo ganhe novos horizontes.

Apresentação no Teatro Amazonas (Gustavo Gilona/CENARIUM)

“Essa música está no repertório há dois anos para ser tocada no festival e eu não vejo momento mais importante e oportuno de dedicar essa obra ao Bruno Pereira e a Dom”, declarou o saxofonista Marcelo Coelho.

A apresentação contou com trechos de áudios relatando a morte do jornalista e do indigenista e a luta ativista para salvar os povos tradicionais do genocídio, enquanto os artistas tocavam os instrumentos musicais no palco do Teatro Amazonas. Ao final, os músicos foram ovacionados pelo público, que ficou em pé aplaudindo a encenação.

Os músicos fizeram uma releitura instrumentista do poema “Juca-Pirama” (Gustavo Gilona/CENARIUM)

Relembre

Dom Phillips e Bruno Pereira foram mortos em 5 de junho deste ano, após receberem ameaças em campo, enquanto realizavam uma expedição no Vale do Javari, no interior do Amazonas. O jornalista e o indigenista foram vistos pela última em uma embarcação vez entre a comunidade São Rafael e Atalaia do Norte (a 1.137 quilômetros de Manaus).

A União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), organização que atua pelos direitos dos povos tradicionais da região, afirma que o indigenista era ameaçado, constantemente, por sua atuação contra invasores na terra indígena: pescadores, garimpeiros e madeireiros. Já o jornalista, apaixonado pelo Brasil, era conhecido por reportagens denunciando as violações dos direitos das populações originárias e vinha trabalhando em um livro sobre meio ambiente.

Dom Phillips (à esq.) e Bruno Pereira foram mortos no Vale do Javari (Reprodução)

Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como “Pelado”, o irmão dele, Oseney da Costa de Oliveira, o “Dos Dantos”, e Jefferson da Silva Lima, o “Pelado da Dinha”, foram presos suspeitos de participarem no crime. Apenas Amarildo e Jefferson confessaram o assassinato, enquanto Oseney continua negando.

Os restos mortais de Dom e Bruno foram encontrados em 15 de junho, após confissão de “Pelado”, que indicou para a Polícia Federal do Amazonas (PF-AM) onde estavam os corpos. Na semana passada, o Ministério Público Federal denunciou Amarildo, Oseney e Jefferson por duplo homicídio qualificado e ocultação de cadáver pelos assassinatos do indigenista e do jornalista.

Festival de Jazz

O Amazonas Green Jazz Festival é o maior festival de jazz da América Latina. O evento iniciou na sexta-feira, 22, no Teatro Amazonas, em Manaus, com músicos multi-instrumentistas nacionais e internacionais promovendo concertos regados de emoção e surpresas em meio à arte de improvisar clássica e característica da música norte-americana.

Nomes como o maestro Rui Carvalho, que dirige a anfitriã Amazonas Band e é diretor artístico do evento, o saxofonista Marcelo Coelho, o instrumentista norte-americano Ed Sarath e o pianista porto-riquenho Edsel Gomez, líder do Triumvirate, proporcionaram shows revivendo grandes sucessos do estilo musical que nasceu no final do século 19 e início do século 20, em Nova Orleans, nos Estados Unidos, e tem ganhado cada vez mais adeptos em solo amazonense.

Os ingressos para as apresentações oficiais do Amazonas Green Jazz Festival estão à venda na bilheteria do Teatro Amazonas e no site Bilheteria Digital (www.bilheteriadigital.com) por valores que variam de R$ 15 (meia entrada) a R$ 100.