Menu

Diversidade Em perspectiva global, pesquisador e ativista mapeia mais de 400 conquistas da comunidade LGBQTIA+ ao longo de 2021

No relatório, o ativista destaca conquistas obtidas em diferentes contextos sociais e espaços públicos e privados (Reprodução/Divulgação)
Priscilla Peixoto – Da Revista Cenarium

MANAUS – Um mapeamento realizado pelo historiador, pesquisador e ativista Valentini Petrovsky aponta 456 conquistas pela comunidade LGBTQIAP+ em diversos continentes de 2021. O estudo publicado na revista acadêmica ReDoC e intitulado Retrospectiva LGBTQIA+ 2021″ contabiliza vitórias simbólicas e efetivas, de modo direto ou indireto, pelo movimento LGBTQIAP+ em diferentes geografias.

Segundo Valentini Petrovsky, a pesquisa quanto ao assunto foi realizada na plataforma Google, com o uso de algoritmos e palavras-chave na barra de busca em rede aberta. “Inclui-se, no anexo desta
pesquisa, vários estudos recentes publicados com dados estatísticos sobre a população LGBTQIA+, além de publicações literárias lançadas, em 2021 ou anos recentes, que ganharam notoriedade sobre temas pertinentes à população queer, seja escrito por pessoas LGBTs, seja por profissionais ci
s e héteros aliados“, informa Valentini no texto que também fora publicado na Revista Fórum.

No relatório, o ativista destaca conquistas obtidas em diferentes contextos sociais e espaços públicos e privados: política, saúde, arte, educação/escola e universidades, religião, esportes e negócios são alguns deles. Dentre as vitórias divididas por cada mês do ano estão:

A revogação da decisão de Trump, que bania transgêneros do serviço militar nos EUA; a descriminalização de pessoas LGBTQIA+, na Angola; e a aprovação da distinção de gênero no Judiciário brasileiro, na qual o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) torna obrigatório o emprego da flexão de gênero para nomear profissão ou demais designações na comunicação social e institucional do Poder Judiciário.

O levantamento inclui, ainda, os primeiros policiais transgêneros recrutados na Índia, a proibição da discriminação sexual contra pessoas LGBTs na área de saúde e a liberação da barriga solidária para casais LGBTs pela Justiça de Israel.

O estudo publicado na revista acadêmica ReDoC contabiliza vitórias simbólicas e efetivas, de modo direto ou indireto, pelo movimento LGBTQIA+(Reprodução/Divulgação)

Critérios

Elaborado em 21 dias, de 15 a 31 de dezembro de 2021, o documento teve como critérios os seguintes fatores:

1 – “Leis que impactam a população LGBTQIA+ como um todo ou parcela deste grupo“;

2 – “Decisões jurídicas históricas que impactam o sistema de Justiça, abrindo precedentes ou efetivando novas práticas que beneficiem a população LGBTQIA+“;

3 – “Representatividade em diferentes espaços sociais ou virtuais que impactam, coletivamente, este grupo e a sociedade, em nível cultural, além da visibilidade de sexualidades e gêneros pouco representados“;

4 – ” Reconhecimento e premiações que tenham alguma notoriedade para a população queer de determinados espaços“;

5 – ” Considerações, lutas e notas de defesa histórica que impactam, diretamente, as milhares de vidas LGBTs;.

Impactos

O pesquisador também destaca que, embora sejam sentidas de formas diferentes, independentes de serem consideradas um grande feito ou de menor proporção, todas somam, positivamente, para a comunidade.

Você pode notar que muitas dessas vitórias vão ter diferentes graus de impacto para a população LGBTQIA+. Algumas pequenas vitórias fazem diferença e não deixariam de ser mencionadas, assim como as grandes que ajudam a desconstruir desigualdades históricas da classe trabalhadora e de outros grupos sociais da qual a população LGBTQIA+ faz parte“, afirma o historiador.

Para ter acesso à pesquisa e às referências usadas na elaboração do documento, acesse o link Retrospectiva LGBTQIA+ 2021 e leia o documento na íntegra.