Menu

Sociedade Em São Paulo, CENARIUM representa a Amazônia em Congresso de Jornalismo Investigativo

O Grupo CENARIUM participa, em São Paulo, do 17º Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), que iniciou presencialmente nesta quinta-feira, 5, em São Paulo. (Marcela Leiros/Agência Amazônia)
Marcela Leiros – Da Agência Amazônia

SÃO PAULO – A AGÊNCIA AMAZÔNIA participa, em São Paulo, do 17º Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), que iniciou presencialmente nesta sexta-feira, 5, em São Paulo. O evento encerra no domingo, 7, e é voltado para profissionais e estudantes de Jornalismo que discutem temas como técnicas de apuração, projetos, ataques à democracia, desinformação, racismo, inclusão, sustentabilidade, entre outros.

Uma das palestras que abriu o congresso na Fundação Armando Alvares Penteado falou sobre a expansão dos crimes ambientais na Amazônia. “As conexões entre crime organizado e delitos ambientais na Amazônia” contou com a presença do pesquisador do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Aiala Couto, o repórter da Revista Piauí, Allan de Abreu, e teve mediação da professora do curso de Direito do Centro Universitário Faap, Mayara Ferrari Longuini.

Da esquerda à direita: Allan de Abreu, Mayara Ferrari Longuini e Aiala Couto (Marcela Leiros/Agência Amazônia)

Aiala Couto contou as experiências como pesquisador e afirmou que é preciso reconfigurar o conceito de crime organizado na Amazônia, já que as organizações vão muito além, com “braços” desde as comunidades tradicionais até grandes empresários e políticos. Ele comentou, ainda, que a presença de criminosos na Amazônia gerou um novo tipo de neocolonialismo.

“É uma nova forma de pensar a ocupação da Amazônia hoje. Por trás de toda conexão existe políticos e grandes empresários. E existe uma política de morte instituída que atinge indígenas, comunidades quilombolas”, disse.

“Isso é histórico [crimes na Amazônia], mas o brasileiro está se tocando disso agora”, disse Allan de Abreu sobre a criminalidade no maior bioma do Brasil.

A AGÊNCIA AMAZÔNIA participará, neste sábado, 6, da mesa-redonda temática “Dom Phillips e Bruno Pereira: como chegamos até aqui”, para debater as causas e desdobramentos dos assassinatos do jornalista britânico e do indigenista no Vale do Javari, no Amazonas, em junho deste ano.

Veja vídeo da palestra “As conexões entre crime organizado e delitos ambientais na Amazônia”:

(Marcela Leiros/Agência Amazônia)