Menu

Economia José Mauro Coelho pede demissão e deixa Presidência da Petrobras após contrariar Bolsonaro

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Bruno Pacheco – Da Agência Amazônia

MANAUS — José Mauro Coelho renunciou, nesta segunda-feira, 20, ao cargo de presidente da Petrobras, segundo comunicado oficial da empresa. Em meio aos sucessivos aumentos no preço dos combustíveis pelo País, o executivo estava sendo pressionado pelo Governo Bolsonaro a deixar o comando da estatal, mas Coelho vinha sendo relutante em renunciar e insistia em permanecer na gestão.

“A nomeação de um novo presidente interino será examinada pelo Conselho de Administração da Petrobras a partir de agora. Fatos considerados relevantes serão prontamente comunicados ao mercado”, reforçou a estatal, em comunicado sobre a mudança na administração.

Empresa informou sobre o pedido de demissão de José Mauro Coelho (Divulgação)

Insustentável na Petrobras

A saída de José Mauro Coelho da Presidência da Petrobras era aguardada desde 23 de maio deste ano, após anúncio do Ministério de Minas e Energia. Para o lugar dele foi indicado Caio Paes de Andrade, homem de confiança do ministro Paulo Guedes. À época, Coelho afirmou que não pediria demissão e que iria aguardar a convocação de uma assembleia de acionistas, a única maneira de tirá-lo do comando da estatal.

Após o aumento 5,18% para a gasolina e de 14,26% para o diesel, anunciado na semana passada, o desagrado da ala bolsonarista com Coelho ficou insustentável. Em uma publicação no Twitter, ao lembrar a greve dos caminhoneiros em 2018 e as consequências para a economia, o presidente Bolsonaro chegou a afirmar que a empresa “pode mergulhar o Brasil num caos”.

“O governo federal como acionista é contra qualquer reajuste nos combustíveis, não só pelo exagerado lucro da Petrobras em plena crise mundial, bem como pelo interesse público previsto na Lei das Estatais”, disse o presidente da República, nas redes sociais.

Coelho foi nomeado para a Presidência da Petrobras, em 14 de abril, para substituir Joaquim Silva e Luna à frente da estatal, sendo o terceiro gestor da empresa no Governo Bolsonaro. Ex-presidente do conselho de administração da Pré-Sal Petróleo (PPSA), o executivo também foi secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia até outubro do ano passado.

Graduado em Química Industrial, com mestrado em Engenharia dos Materiais, pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), e doutorado em Planejamento Energético, pelo Programa de Planejamento Energético (PPE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), José Mauro Coelho foi indicado para o comando da Petrobras após o empresário Adriano Pires desistir da proposta de assumir a Presidência da empresa.