Menu

Sociedade Transtorno afetivo bipolar: entenda doença que levou mulher a ter relações com homem em situação de rua

Sandra Fernandes e o marido, Eduardo Alves (Reprodução/Redes Sociais)

Ívina Garcia – Da Revista Cenarium

MANAUS – O Transtorno Afetivo Bipolar (TDA), episódio maníaco com sintomas psicóticos, é um tipo de surto causado pela bipolaridade que pode ter como um dos sintomas a hipersexualização e levar a pessoa a cometer atos em que ela não consegue julgar a realidade de forma adequada, segundo a psiquiatra, Dra. Giulia Miranda Rosa Santoro.

Esse tipo de transtorno foi identificado no caso da comerciante Sandra Mara Fernandes, 33, que durante um episódio maníaco relata ter visto Deus e o marido no corpo de um homem em situação de rua, o que a levou a ter relações sexuais com o homem até então desconhecido. Sandra foi internada logo após o acontecido e os médicos identificaram nela o TDA.

Santoro explica que para desenvolver um surto psicótico é preciso ter transtorno de bipolaridade e um caso grave, como o de Sandra, só pode acometer a pessoa que já está suscetível ao surto. A pessoa com transtorno bipolar oscila entre polos de extrema agitação e euforia exacerbada para um quadro depressivo grave, afirma a psiquiatra. “São raros os momentos que a pessoa fica bem, com o humor estável”.

“O surto psicótico é bem fácil de identificar, geralmente é aquela pessoa que está completamente fora de si. Uma pessoa que apresenta delírios, acredita em coisas que não são reais. Como por exemplo, um amigo achar que outro amigo está tendo algum caso com o cônjuge sem ter nenhum indício ou prova. O surto psicótico pode apresentar delírios e alucinações”, explica Giulia.

Casos extremos

Os surtos psicóticos também podem ser causados por uma infecção no cérebro, mas esses casos não geram hipersexualização e alucinações graves como em casos do episódio maníaco psicótico. “O surto psicótico pode ser de um transtorno mental ou pode ser causado por uma infecção no cérebro. Então é preciso sempre ter uma avaliação médica. Também pode acontecer da pessoa ter um quadro psicótico por uso de drogas ou bebida alcoólica”, diz Santoro.

A psiquiatra comenta ainda que um dos sintomas mais claros de um surto psicótico são as alucinações auditivas e delírios, mas que além desses a pessoa apresenta uma fala descoordenada ou desconexa. Além disso, destacou o comportamento agitado dos pacientes.

Outro ponto abordado pela doutora é o eventual trauma, ela explica que mesmo o maior dos traumas não desencadeia um episódio psicótico, a não ser que outros fatores estejam incluídos. “Todo o transtorno mental é multifatorial, ou seja, causado por questões genéticas, interpessoais e fatores externos, então não tem como um trauma específico que possa causar esse tipo de trauma. Pode até acontecer da pessoa ter algum trauma na vida, mas provavelmente ela carregava alguma tendência a ter esse tipo de transtorno”, finaliza.

Sobre o caso

Sandra foi exposta após ter relações sexuais com Givaldo Alves, homem em situação de rua de Planaltina, Distrito Federal, no dia 9 de março deste ano. Ela relatou, em áudios publicados em seu perfil, que precisava “concluir seu propósito” e se encontrar com o Givaldo. O marido de Sandra, Eduardo Alves, flagrou a situação e acabou agredindo o homem por pensar ser uma relação não consensual.

Sandra foi internada logo após o ocorrido e a conclusão dos médicos foi de que ela passou por um episódio maníaco psicótico, causado pelo TDA. Por meio das redes sociais, Sandra se pronunciou pela primeira vez após o ocorrido, contando que se sentiu humilhada ao se deparar com a repercussão do caso.

“Fui vítima de chacotas, humilhações em rede nacional. Fui taxada como uma mulher qualquer, uma mulher promíscua, uma mulher com fetiches, uma traidora. E mais ofendida ainda por ter sido atacada por outras mulheres que entenderam que eu merecia o pior”, disse.

“Eu sempre soube que vivemos numa sociedade desigual, mas eu não escolhi ter um surto, eu não escolhi ter sido humilhada, eu não escolhi ter minha vida exposta e devastada! Então, na condição onde estive eu sei que tinha legítimo direito de ser defendida”, declarou no texto.

Imagem: Reprodução/Redes Sociais

Nos stories, Sandra reafirmou os agradecimentos do texto e disse que irá defender o direito das mulheres e garante que em breve trará novidades. “Hoje eu busco na justiça os meus direitos, pois nunca faltei com respeito com ninguém e não merecia ter sido tratada como uma qualquer […]. Sigo batalhando, um dia de cada vez para retomar a minha existência e vou conseguir porque DEUS é maior e infinitamente bom!”, concluiu.